quinta-feira, 19 de julho de 2012

O Solar de Vilartão. A Guerra Civil Espanhola


O Solar de Vilartão e a Guerra Civil Espanhola.

       Galiza a região irmã e os irmãos desavindos. 


                                                                      Solar de Vilartão

   A Guerra Civil Espanhola decorreu no período de 1936 a
1939, antes da segunda guerra mundial.







    A direita espanhola fez uma cruzada para livrar o país da influência comunista e estabelecer os valores da Espanha tradicional, para tal precisou de esmagar a república que havia sido proclamada em 1931 com a queda da monarquia.




   A direita espanhola entusiasmou-se com o sucesso de Hitler e com o golpe direitista de Dolfuss na Áustria em 1934.
   Derrotada nas eleições, a direita passou a contar com o apoio dos regimes fascista (Portugal com Oliveira Salazar, Alemanha com Hitler e a Itália com Mussolini).
   Em 1936 o Gen. Francisco Franco insurge o exercito contra o governo republicano. Milícias anarquistas e socialistas foram então formadas para resistir ao golpe militar.
   O país em pouco tempo ficou dividido numa área nacionalista dominada pelas forças de General Franco e em áreas republicanas onde ocorreram então uma radical revolução social. As terras foram coletivizadas, as fabricas dominadas pelos sindicatos, assim como os meios de comunicação.
   Em ambos as zonas as matanças foram frequentes, por fuzilamentos, padres e proprietários eram as vitimas preferidas dos anarquistas enquanto os sindicalistas, professores e esquerdistas as vitimas preferidas dos militares nacionalistas.




     A Galiza de então era uma região de Espanha muito conservadora onde a direita esmagava  a perseguida minoria esquerda republicana.
     Foram muitos os fuzilamentos então, e quando os republicanos  atravessavam a fronteira, perseguidos pelas hostes fascistas, e procuravam em Portugal asilo era frequente caírem nas mãos da polícia política do Estado Novo a PVDE (PIDE)  que fora criada em 1933.


Dr. Armando Morais Soares.


   O Dr. Armando Morais Soares licenciado em Medicina em 1928 pela Universidade de Coimbra, tendo-se distinguindo pela solidariedade e ajuda aos que precisavam, pobres e doentes, não hesitou em albergar em sua casa republicanos espanhóis que fugiam dos franquistas durante a Guerra Civil de Espanha. 
   Foram muitos os republicanos espanhóis que passaram por Vilartão e aí encontraram acolhimento defesa e alimentação, mas acima de tudo foram poupados dos fuzilamentos dos franquistas ou da prisão e  atrocidades  da polícia politica de Salazar e consequente extradição para Espanha. 


O Dr. Armando com visitas à porta de sua casa em 1992.

   Na foto o Dr. Armando, já com 90 anos em 1992, falecido em 1998, vai ser em breve alvo de homenagem por parte da Câmara Municipal de Valpaços, por uma longa vida dedicada ao filantropismo e humanismo.